Dressage. 14 JAN 2021

O PIAFFER

O Piaffer é um exercício que exige a mais elevada concentração sendo, provavelmente, um dos mais difíceis na Dressage.


Tempo de Leitura: 7 min

Foto: Fogo (c) Pedro Yglesias de Oliveira

Em Portugal possuímos cavalos com grande aptidão e um bom número de cavaleiros com extrema sensibilidade para executar este exercício, contudo, no âmbito da competição, é importante conhecer bem quais são os requisitos e critérios de avaliação para se alcançar uma nota elevada.

DEFINIÇÃO
O Piaffer é um trote muito concentrado (a maior concentração possível) onde as diagonais do movimento ganham maior elevação embora o cavalo permaneça praticamente no mesmo ponto (sobre o mesmo terreno). O dorso do cavalo apresenta-se descontraído e elástico, a garupa mostra um ligeiro abaixamento, os membros posteriores, de forma activa e com pronunciada flexão das articulações, avançam para baixo da massa corporal fazendo com que o centro de gravidade passe a estar mais atrás, concedendo, consequentemente, maior liberdade, ligeireza e mobilidade às espáduas e a todo o ante-mão. Tal como nos demais exercícios a trote, cada diagonal (mão esquerda-pé direito e vice-versa) eleva-se e apoia-se alternadamente num ritmo sincronizado, activo e elástico. Desejavelmente, a pinça do casco do membro anterior em suspensão eleva-se até ao meio da canela do membro anterior em apoio, enquanto que a pinça do membro posterior em suspensão eleva-se ligeiramente acima do boleto do membro posterior em apoio. O pescoço do cavalo eleva-se de forma elegante e arredondada culminando com a nuca no ponto mais alto, permanecendo o chanfro na vertical. O contacto com a mão do cavaleiro mantém-se suave e elástico transmitindo uma imagem de equilíbrio, vivacidade, ligeireza e harmonia. 

O Piaffer deve ser executado sobre o mesmo ponto (no mesmo terreno) podendo, no entanto, existir uma visível intenção de avançar decorrente da vontade do cavalo sair para diante, assim que tal lhe seja solicitado pelo cavaleiro.

 

OBJECTIVO
O Piaffer visa demonstrar o mais elevado grau de concentração do trote, dando a sensação de permanecer no mesmo ponto (no mesmo terreno). As diagonais do trote devem manter-se perfeitamente definidas e regulares e o cavalo deve demonstrar a intenção de querer avançar.


COMO OBTER UMA NOTA ELEVADA
Para além de observar o que consta na definição do exercício, é fundamental que este seja iniciado e concluído na respectiva letra, cumprindo o número de passadas exigidas. O cavalo deve permanecer descontraído, transmitindo-nos a sensação de estar a executar o Piaffer por sua própria vontade.

 

DICAS

1. Precisão

a)
Não executar o exercício na letra exigida leva à perda (desnecessária) de pontos.

b)
Não executar o número de passadas exigidas também leva à perda (desnecessária) de pontos. Sobre este aspecto importa referir que, por vezes, existe a ideia (errada) de que se forem executadas mais passadas do que o exigido o cavaleiro não é penalizado. Importa esclarecer que passadas a menos ou a mais do que o exigido são penalizadas de igual forma.

2. O desejo de avançar - O Regulamento estipula que no Piaffer o cavalo deve dar a impressão de permanecer no mesmo ponto, o que é diferente de exigir que o cavalo fique no mesmo ponto. Acresce que o “desejo de avançar” é um dos critérios de avaliação deste exercício, por isso quando temos um cavalo a debutar nas provas onde o Piaffer é exigido, quando o cavalo ainda não desenvolveu a força e o equilíbrio necessário ou quando tem tendência para colocar os membros anteriores por baixo da sua massa corporal (“debruçado”) é preferível permitir que o cavalo avance ligeiramente, pois isto beneficiará o equilíbrio, é visto pelos juízes como uma correcta opção e geralmente avaliado com uma nota mais favorável da que teria ao executar o Piaffer sobre o mesmo ponto/terreno em detrimento da regularidade e equilíbrio.

3. Descontracção VS Tensão - Naturalmente que o Piaffer exige um maior nível de actividade e energia, todavia isto não deve ser confundido com tensão. O Piaffer deve resultar da máxima concentração do trote num estado de descontracção, e não de excitação. O aumento desadequado, às vezes pouco discreto, da intensidade das ajudas do cavaleiro leva, geralmente, à perda de regularidade, tensão do dorso e encurtamento do pescoço, transmitindo uma imagem diferente da que é definida no Regulamento. Tente preparar o exercício com antecedência e seja discreto nas ajudas.

4. Antecipação (mental e visual) na preparação do exercício - Sendo este um exercício de elevada complexidade, pois é o único onde o cavalo tem de executar 12 a 15 passadas sobre o mesmo terreno, é importante que seja preparado, mental e visualmente, com a maior antecipação possível, pois se assim não for o risco de não executar o exercício na letra, perder a regularidade e a rectitude é elevado.

 

Nota: Esta análise é feita à luz do Regulamento da Federação Equestre Internacional (FEI), tendo por objectivo ajudar os praticantes de Dressage a “conservar” pontos que estão essencialmente relacionados com a execução do exercício e não apenas com a qualidade do cavalo.

Artigo publicado in Revista Equitação n.º 142 , Março/Abril de 2020

 

Veja também:

- Como entrar em pista e causar boa impressão

- O trote médio/largo

- A espádua a dentro

- O ladear

- O recuar

- A passage

Autor:

Frederico Pinteus

equitacao@invesporte.pt

QUER SABER MAIS SOBRE ESTE ASSUNTO?

Insira o seu e-mail e receba todas as novidades