Dressage. 26 AGO 2019

Lusitanos apuram Portugal para Tóquio 2020

O passaporte foi carimbado fruto das prestações de quatro cavaleiros, às rédeas de cavalos de raça Puro Sangue Lusitano.


Tempo de Leitura: 10 Min

Roterdao 2019 - Maria

Maria Caetano e Coroado (Coudelaria Alter Real), Duarte Nogueira e Beirão (Coudelaria Alter Real), João Torrão e Equador MVL (Coudelaria Monte Velho) e Rodrigo Torres e Fogoso (Coudelaria Torres Vaz Freire) são os quatro conjuntos que este Verão integrarem a equipa que, em Roterdão, durante o Campeonato da Europa, conseguiu o apuramento colectivo de Portugal para os próximos Jogos Olímpicos.

A equipa foi chefiada por Daniel Pinto, ele que, curiosamente, integrou a última equipa presente numas Olimpiadas, em Pequim 2008.

O Grande Prémio foi onde se decidiram os resultados de equipas, durante dois dias de provas. Portugal ficou em 8.º lugar (213.106 pontos), fruto das seguintes notas:

24.º Maria Caetano/Coroado – 72.329%

Roterdao 2019 - Maria e Coroado - foto Jean-Marie Mangen

Foto: Jean-Marie Mangen

26.º Rodrigo Torres/Fogoso – 71,786%

Roterdao 2019 - Rodrigo Torres e Fogoso 

38.º João Torrão/Equador MVL – 68.991%

Roterdao 2019 - Joao Torrao e Equador

49.º Duarte Nogueira/Beirão – 67.531%

Roterdao 2019 - Duarte Nogueira e Beirao - foto Jean-Marie Mangen

Foto: Jean-Marie Mangen

“Este resultado coloca o cavalo lusitano como um dos grandes players desta modalidade. Nestes dois dias, vimos Portugal, com os seus cavaleiros, e com o nosso Cavalo Lusitano, a competir de igual para igual com as grandes potências europeias da disciplina, e a ser olhado com enorme respeito pela extraordinária qualidade que apresentou”, destacou Manuel Paim, presidente da Associação Portuguesa de Criadores do Cavalo Puro Sangue Lusitano (APSL).

É preciso salientar que o Grande Prémio contou com nove cavalos de raça lusitana, em representação de cinco países. “Este facto era impensável há poucos anos e deve-se ao esforço de um conjunto de criadores, no sentido de promoverem o apuramento do nosso cavalo para a dressage, e também ao acompanhamento dos nossos cavaleiros por equitadores nacionais mais experientes e por treinadores e juízes de alto nível internacionais”, conclui Manuel Paim.

Para além dos quatro já referidos, estiveram presentes:

19.º Claudio Castrilla Ruiz/Alcaide (ESP) – 73.214%

32.º Juan Antonio Jimenez Cobo/Euclides Mor (ESP) – 69.969%

40.º Dragão/Sascha Schulz (LUX) – 68.773%

46.º Esporim/Anna Merveldt (IRL) – 67.717%

65.º Faraó da Raia/Grete Ayache (EST) – 60.683%

Nota ainda para a presença neste Europeu da raça nacional Cavalo Português de Desporto/Portuguese Sport Horse. Ultrablue de Massa, castrado de 11 anos, foi montado por Arnaud Serre (FRA) e fez 69.425%

Juntamente com Portugal, apuraram-se para Tóquio 2020 a Dinamarca (5.º) e a Irlanda (7.º), com o pódio composto por:

1.º Alemanha (244.969 pontos - Jessica von Bredow-Werndl/TSF Dalera BB, Dorothee Schneider/Showtime FRH, Sonke Rothenberger/Cosmo e Isabell Werth/Bella Rose)

2.º Holanda (230.140 pontos - Anne Meulendijks/MDH Avanti NOP, Hans Peter Minderhoud/Glock’s Dream Boy NOP, Emmelie Scholtens/Desperado NOP e Edward Gal/Glock’s Zonik NOP)

3.º Suécia (229.923 pontos - Antonia Ramel/Brother de Jeu, Therese Nilshagen/Dante Weltino OLD, Juliette Ramel/Buriel KH e Patrik Kittel/Well Done de la Roche CMF)

Roterdao 2019 - Alemanha

Foto: FEI/Liz Gregg

Esta foi a 24.ª medalha de ouro por equipas da Alemanha, num pódio sem a Grã-Bretanha, 4.ª classificada, fruto da eliminação de Charlotte Dujardin/Mount St John Freestyle.

A égua hanoveriana de 10 anos apresentou sinais de sangue e o que parecia a conquista da medalha de prata para os Britânicos, esfumou-se que nem o nevoeiro matinal de Londres.

Quatro conjuntos foram eliminados durante o Grande Prémio e as eliminações não se ficaram por aí, com Beatriz Ferrer-Salat (ESP) a conhecer o mesmo destino no dia seguinte, mas já lá vamos.

Em baixo, confira o vídeo da prova de Grande Prémio de Isabell Werth/Bella Rose. O conjunto foi avaliado em 85.652% e liderou a classe. 

Dos 69 conjuntos no Grande Prémio, os 30 melhores passaram ao Grande Prémio Especial, onde se assistiu a um duelo mano-a-mano entre duas compatriotas alemãs, na luta pela medalha de ouro.

Isabell Werth/Bella Rose acabou por levar a melhor com 86.520%, seguindo-se Dorothee Schneider/Showtime FRH com 85.456 %. O bronze no Especial foi para a dinamarquesa Cathrine Dufour/Atterupgaards Cassidy e 81.337%.

Quantos aos cavalos lusitanos, obtiveram os seguintes resultados:

16.º Claudio Castrilla Ruiz/Alcaide (ESP) – 74.407%

23.º Maria Caetano/Coroado (POR) – 71.398 %

24.º Rodrigo Torres/Fogoso (POR) – 70.957 %

Com apenas 15 vagas para a Freestyle, nenhum deles passou à Final.

Confira os highlights do Grande Prémio Especial no vídeo em baixo. 

 

Isabell Werth: Campeã Invicta

O Campeonato da Europa de Dressage decorreu de 19 a 24 de Agosto e chegou ao fim com Isabell Werth a conquistar a terceira medalha de ouro da semana, no Grande Prémio Freestyle, onde foi avaliada em 90.875%.

A Alemanha dominou a Final, onde os três lugares cimeiros foram conquistados por cavaleiras germanicas. Com 90.561%, Dorothee Schneider foi medalha de prata (a apenas 0,314 de Werth) e Jessica von Bredow-Werndl bronze, com 89.107%.

Após a consagração, num estádio completamente lotado, a Campeã da Europa afirmou: Esta foi uma óptima semana e uma semana muito longa e estou muito feliz e orgulhosa de Bella! Ela transmitiu-me sensações fenomenais nas três provas e fez sempre o melhor possível.”

Roterdao 2019 - Isabell Werth - foto FEI - Dean Moutharopoulos

Foto: FEI/Dean Mouhtaropoulos/Getty Images

Aos 50 anos, Isabell Werth e uma das atletas de maior sucesso em toda a história do desporto equestre internacional, e com a vitória no Grande Prémio Kur alcançou a 24.ª medalha em Campeonatos da Europa da sua surpreendente carreira. Embora com uma colecção de títulos invejável, a alemã diz que não são as medalhas que a motivam.

“O mais bonito são os diferentes cavalos e tipos de cavalos que tenho tido e é isso que me continua a motivar a montar. É um privilégio poder acordar, subir para a sela e fazer o que gosto. A Madeleine (Winter-Schulze) dá-me toda a liberdade de que preciso para praticar este desporto. É por isso que ainda estou aqui! ”, comentou.

Em Roterdão, a par do Europeu de Dressage, disputou-se o Europeu de Paradressage e de Saltos de Obstáculos, ambos também com presença nacional.

Resultados completos AQUI

Autor:

Ana Filipe

anafilipe@invesporte.pt

QUER SABER MAIS SOBRE A CATEGORIA

Insira o seu e-mail e receba todas as novidades