Entrevista. 13 MAI 2020

Filipe Pimenta: “O meu objectivo é criar eventos com identidade”

Paixão, inovação e empreendedorismo são algumas das palavras que podem definir Filipe Pimenta, empresário de Ponte de Lima que tem dedicado a vida à promoção do cavalo em geral e do Puro Sangue Lusitano em particular.


Tempo de Leitura: 12 min

Responsável por vários projectos, foi no Centro Equestre Vale do Lima, o seu primeiro, que nos recebeu para uma conversa sobre este animal que tem levado o nome de Ponte de Lima e de Portugal cada vez mais longe.

Quando se fala do panorama equestre nacional, o nome de Filipe Pimenta é incontornável quer pelos eventos que organiza, entre os quais a emblemática Feira do Cavalo de Ponte de Lima, mas também muito pela paixão com que fala sobre o cavalo, animal que está presente na sua vida desde muito novo. É no pai que tem o seu maior exemplo e são os seus ensinamentos que o levam a entrar em todos os projectos com um único objectivo: ser bem sucedido.

Envolvido em diversas áreas, que vão desde o Centro Equestre Vale do Lima, a empreendimentos turísticos e a uma empresa de construção, tudo integrado no Grupo J. Pimenta, com 44 anos tem deixado o cunho pessoal por onde passa, sendo, no entanto, humilde ao ponto de reconhecer que nada se faz sozinho.

EQUITAÇÃO - Não tendo nascido numa família com tradição equestre, cedo o cavalo entra na sua vida quando, com pouco mais de dez anos, convence o seu pai a comprar-lhe um Garrano. Desde aí, este passou a integrar a sua vida, até aos dias de hoje. Fale-nos um pouco do seu percurso e com quem foi aprendendo.

FILIPE PIMENTA - Era habitual, aqui na região, começar a montar-se com garranos. Fiz corridas de aldeia, raides e também saltei. Ainda me lembro bem dos passeios a cavalo e da emoção de muito jovem, com 10, 11, 12 anos, poder montar e ir passear para os campos, pela montanha... São coisas que nos marcam. Mais tarde andei em alguns Centros Hípicos em Braga e no Porto, onde adquiri conhecimentos técnicos.

O cavalo era uma paixão de criança mas cedo se transformou em mais do que isso. À medida que fui crescendo, evoluí no sentido de querer tirar partido do cavalo, animal que é nosso parceiro. Embora já não seja um parceiro sofredor, como no tempo em que era usado como transporte ou na guerra, é um parceiro também de comunicação para o mundo. Em Portugal, para além da nossa ruralidade e oferta turística, temos um grande produto que é o Lusitano. Esta grande marca nacional de prestígio, espalhada pelo mundo, consegue ser transversal e despertar paixões. Como tal, é um grande parceiro para nos ajudar a desenvolver projectos diferentes e a comunicar Portugal internacionalmente.

Tive a sorte de estar ligado a pessoas com muito conhecimento, as quais não vou enumerar para não me esquecer de nenhuma, mas que foram pessoas de referência que me ajudaram e aconselharam. Conversar com elas e aprender com a sua experiência, a par da minha intuição e vontade, foi o que me fez crescer. Por muito visionários que possamos ser, devemos sempre ouvir pessoas com outro tipo de experiência. Não há nada pior do que acharmos que somos donos da razão, porque até podemos ter noção do que queremos, mas podemos não ter a estratégia certa para conseguimos atingir os objectivos. Mas o grande guru da minha vida foi sempre o meu pai. Ele foi o meu grande professor, sem dúvida nenhuma.

Filipe Pimenta (12) _ FOTOS BÁRBARA M. DA COSTAEQUESTREZ

É também ele que está na origem do Centro Equestre Vale do Lima...

Há trinta anos não havia aqui nenhum local onde se pudesse aprender a montar. Mais uma vez, convenci o meu pai a criar um espaço para podermos evoluir, mas também para dar oportunidade a outras pessoas de ter essa experiência. Iniciámos com a reconversão de um estábulo que tínhamos, com um picadeiro pequeno, um professor e a partir daí fomos avançando. Comprámos mais e melhores cavalos e, há vinte anos, abrimos o picadeiro como ele é hoje. Temos organizado aqui várias competições com prestígio, mais direccionadas para a Dressage.

Está também aqui a decorrer, com enorme sucesso, o curso de Gestão Equina, em parceria com a Escola Profissional de Ponte de Lima. Além disso, temos um restaurante e bar, porque considero muito importante dar a possibilidade, mesmo a quem não monta, de poder almoçar ou jantar e ver os cavalos a trabalhar, sendo também uma comodidade para as pessoas que montam, proprietários e alunos. Actualmente, 70% dos cavalos são de clientes, os restantes somos nós que compramos, ainda em poldros e depois são aqui desbastados.

Quando compra um animal, quais as características que procura?

Que sejam bonitos, fáceis e com boa cabeça. Tudo isto é importante porque a grande faixa dos clientes de Lusitanos não é profissional. Hoje em dia o nosso cavalo tem alto potencial desportivo e havendo cada vez mais Lusitanos de qualidade a competir internacionalmente, vai crescendo o número de clientes para este tipo de cavalos mas também cresce o número de pessoas que querem o Lusitano para lazer.

O nosso cavalo apaixona por ser dócil, bonito, fácil, confortável. O Lusitano nunca esteve como está hoje, num patamar de qualidade fantástico, e está a crescer. Cada vez mais a criação do cavalo se foca na alta competição, mas não pode perder as características. Acho que há cavalos bons e não estamos a correr esse risco. Perde-se um pouco a tipicidade, mas isso é o menos, continuam lá as formas.

Filipe Pimenta (13) _ FOTOS BÁRBARA M. DA COSTAEQUESTREZ

Em 2007 realizou-se a primeira edição da Feira do Cavalo de Ponte de Lima, à qual está desde logo associado. Como surgiu a ideia de criar este certame?

O então presidente da Câmara Municipal de Ponte de Lima, Daniel Campelo, tinha sensibilidade e a noção da importância que o cavalo poderia vir a ter para a região, principalmente como promotor turístico internacional, e decide criar uma infra-estrutura de topo, que é o recinto onde se organiza a Feira do Cavalo: a Expolima. Fui convidado a dar a minha colaboração ao projecto e desafiado a ajudar a posicionar Ponte de Lima como destino de prestígio. Estamos a falar daquela que é a vila mais antiga de Portugal, com muita história, gastronomia e cultura. O cavalo está relacionado com tudo isso. A Feira do Cavalo era um evento que iria ter impacto a nível nacional, mas com projecção internacional. Percebeu-se também que o Lusitano é um grande produto da nossa agricultura, de altíssima qualidade, e assim também se iria contribuir para prestigiar ainda mais esse produto. Hoje em dia com o Presidente Victor Mendes a estratégia continua. Sem vontades políticas é muito difícil desenvolver este tipo de projectos.

Entretanto a Feira do Cavalo de Ponte de Lima já foi distinguida pelo Turismo de Portugal como evento de excelência do ano, tendo também recebido vários prémios nacionais e internacionais como evento de destaque. É uma aposta ganha, que representa muito para a economia da região. Anualmente vêm pessoas dos quatro cantos do mundo à Feira do Cavalo, porque é um evento com muita qualidade.

 

“O LUSITANO UMA MARCA DE PRESTÍGIO

QUE DESPERTA PAIXÕES PELO MUNDO”

 

A Expolima é também palco de competições das mais diversas disciplinas.

Sim, organizamos Concursos Internacionais de Saltos de Obstáculos, Campeonatos da Europa e do Mundo em várias modalidades. São eventos que não têm tanta força como a Feira do Cavalo, mas que também atraem muito público. Organizamos ainda os Jogos Equestres de Ponte de Lima.

O meu objectivo é criar eventos com identidade e tudo o que organizamos é de acordo com a filosofia de que tem de haver um conjugação de objectivos, bem como um retorno para a região, cavaleiros, criadores, patrocinadores e para o turismo.

Além dos eventos já mencionados, está também por detrás de outros, espalhados por todo o país. Como tem sido a experiência?

Organizámos a Rural Beja, que estava já com uma projecção de relevo, contudo houve uma mudança política e deixou de haver a tal conjugação de objectivos. Fomos também convidados, no ano passado, a organizar o Concurso de Saltos Internacional de Pedras Salgadas, um concurso com bastante história e uma grande referência internacional do hipismo.

Conseguimos ter muitos cavaleiros e de muita qualidade, o concurso foi fantástico. Inclusive a FEI enviou-nos uma carta a dar os parabéns pela organização. Estivemos também envolvidos na Nova Agrovouga, um evento igualmente com bastante história, numa região com muita cultura equestre (Aveiro). Os cavalos ajudaram muito na dimensão que atingiu.

Filipe Pimenta (10) _ FOTOS BÁRBARA M. DA COSTAEQUESTREZ

Está ainda envolvido no sector do turismo. Que tipo de oferta dispõe?

Temos o turismo equestre, Ponte de Lima on Horseback (ver caixa), onde organizamos circuitos a cavalo junto ao rio Lima e pela montanha e damos ainda clínicas de Dressage. Estamos também ligados ao turismo rural e turismo de habitação, como por exemplo o Cerquido Village & Spa (ver caixa), que tem uma identidade e onde se criou uma marca: montanha, natureza, desporto, bem-estar e conforto. Há pessoas que aproveitam para usufruir dos cavalos, dos passeios e do alojamento. É uma optimização de oferta, sendo que há muitas pessoas de outras unidades turísticas que vêm montar a cavalo connosco.

Como vê a evolução do Lusitano, a nível nacional e internacional?

O Lusitano tem sido muito generoso connosco e tem a sorte de ter alguns criadores que, ao longo dos anos, conservaram uma base genética que é essencial para a qualidade do cavalo e que hoje também estão a projectar na alta competição, mas sem descurar a polivalência. A APSL fez um bom trabalho, mas só estamos neste patamar pelo trabalho dos criadores e alguns deles foram autênticos heróis da raça Lusitana. Temos a sorte de ter um cavalo que colaborou muito e de ter investidores e criadores que apostaram na raça, quer em Portugal, quer internacionalmente.

Estamos numa fase em que é muito importante que uma grande percentagem de líderes olhe para este produto como um ex-líbris nacional. Está na altura de se sentarem à mesa para pensar de uma forma ainda mais séria sobre a qualidade do produto que é o Lusitano. Temos de perceber que temos um diamante muito importante, que está a atingir um patamar de excelência e que pode ter um retorno elevadíssimo para Portugal, enquanto elemento de criação que pode ser vendido e exportado, cada vez mais, mas principalmente como um produto que pode trazer gente de todo o mundo para conhecer este paraíso que é Portugal.

 

“SÓ ESTAMOS NESTE PATAMAR PELO TRABALHO DOS CRIADORES

 E ALGUNS DELES FORAM AUTÊNTICOS HERÓIS DA RAÇA LUSITANA”

 

Quais os objectivos para 2020?

Quer nos cavalos e turismo, quer no âmbito dos projectos de construção grupo J. Pimenta, o objectivo é sempre continuar a crescer. Temos esse espírito de investimento e de empreendedorismo, de afirmar as marcas. Este ano vai surgir uma marca de vinhos com o nosso nome, que será criada para homenagear o nosso pai, que foi nosso mentor e professor e um apaixonado pela agricultura. Escolhemos um enólogo de topo nos vinhos verdes e brancos, o Anselmo Mendes, e queremos apostar forte na imagem e na qualidade do produto, pois persegue-nos um pouco essa “obrigação” de dar uma continuidade a tudo o que nos foi “oferecido”.

Tenho a sorte de ter gente boa a trabalhar comigo, para desenvolver projectos. A certa altura gosto de delegar, o que aumenta a sua responsabilidade mas também lhes dá outra liberdade. Sou contra ideias formatadas.

Filipe Pimenta (8) _ FOTOS BÁRBARA M. DA COSTAEQUESTREZ

CENTRO EQUESTRE VALE DO LIMA

  • 50 boxes
  • Picadeiro coberto
  • Picadeiro exterior
  • Restaurante e bar

Localização: Quinta da Sobreira, Feitosa, 4990-351 Ponte de Lima

Contactos: 924429582/924429581/cevl@sapo.pt/turismo@centroequestrevaledolima.com

PONTE DE LIMA ON HORSEBACK

  • Passeios a cavalo
  • Passeios de charrete
  • Aulas de equitação

Localização: Quinta de Pentieiros, S. Pedro D’Arcos, 4990-530 Ponte de Lima

Contactos: 938336609/horseback@centroequestrevaledolima.com

CERQUIDO VILLAGE & SPA

No Cerquido Village & SPA terá a oportunidade de relaxar no silêncio da natureza, numa simbiose perfeita do conforto com a natureza em plena Serra D’Arga. O alojamento é composto pela Casa da Serra e duas pequenas Casas de Madeira (Bungalows), complementado por uma piscina de interior de água aquecida e jacuzzi.

Localização: Rua Bouça de Abade,

4990-590 Estorãos, Ponte de Lima

Contacto: 924429582/reservas@cerquidovillage.com

 

Fotos: Bárbara M. da Costa/Equestrez

Autores:

Carla Laureano

carlalaureano@invesporte.pt

Ana Filipe

anafilipe@invesporte.pt

QUER SABER MAIS SOBRE ESTE ASSUNTO?

Insira o seu e-mail e receba todas as novidades