Dressage. 30 JUL 2019

O TROTE MÉDIO/LARGO

Na maioria das provas, após a entrada, segue-se o trote médio/largo, pelo que abordamos agora este exercício. Os requisitos/objectivos do trote médio e largo são semelhantes, existindo apenas uma diferença no grau de exigência requerido, sendo este mais moderado no caso do trote médio.


Tempo de Leitura: 4 min

O QUE É O TROTE

O Trote é um andamento em dois tempos (em quatro fases) em que o cavalo se desloca por diagonais separadas por um momento de suspensão.

 

OBJECTIVO DO TROTE LARGO

O trote largo visa mostrar a maior amplitude possível das passadas (transpistando-se notoriamente) e o alongamento da silhueta do cavalo, graças a um aumento da impulsão, sem que exista qualquer precipitação ou perda de regularidade/equilíbrio.

 

1) A passagem dos cantos e a parede pequena

Na maioria das provas internacionais, bem como em algumas provas nacionais, a nota atribuida ao Trote Largo inclui a passagem dos cantos e, em certas provas, o trote concentrado na parede pequena. Por vezes verifi camos cavaleiros a focarem-se exclusivamente no trote largo negligenciando a correcta passagem do canto (correcta encurvação, entrada no canto e equilíbrio) e a concentração na parede pequena.

Dica: Ler atentamente o protocolo e ter presente tudo o que é solicitado em cada exercício.

 

2) Transições

Não esquecer que as transições - trote de trabalho/concentrado - trote largo - trote trabalho/concentrado - também fazem parte do exercício, contúdo, por vezes verifico que estas são pouco definidas (marcadas).

Dica: Definir/mostrar muito bem as transições, tendo presente que a última transição é avaliada da mesma forma que a primeira. As transições devem ser suaves mas não (demasiado) progressivas...

 


3) Impulsão VS Velocidade

Sendo este um tema já muito tratado e relacionado com o treino, sublinharei apenas que a impulsão e a velocidade não devem ser confundidas. O objectivo é apresentar passadas amplas e não passadas mais rápidas.

Dica: Privilegie sempre o equilíbrio e regularidade. Conheça o limite do seu cavalo e não exagere.

 


4) Trajectória

Tal como na entrada (e em boa verdade na maioria dos exercícios) a trajectória é um factor importante na avaliação do exercicio; considerando que a maioria dos trotes largos são executados nas diagonais, a trajectória deve ser bem defi nida.

Dica: No início do exercício fixe o olhar no ponto de chegada, crie uma linha imaginária e siga essa trajectória até ao fim. Como costumamos dizer na gíria equestre, conjugando a trajectória com as transições, “monte de letra a letra (...)”

 


5) Diferenciação entre o Trote largo e o Médio

Conforme referi no início, os requisitos/objectivos do trote médio e largo são semelhantes, existindo apenas uma exigência mais moderada no primeiro, no entanto, é importante mostrar esta diferença pois caso tal não aconteça a nota do trote largo (que aparece sempre após o trote médio) será prejudicada.

Dica: Tenha presente que o máximo de impulsão, amplitude e alongamento da silhueta são características do trote largo, pelo que convém ser algo contido no trote médio. Esta é uma daquelas situações em que se pode dizer “less is more...”.

 

 

NOTA: O objectivo destes artigos é elencar algumas questões que os cavaleiros de Dressage devem ter em atenção para não perderem pontos que estão relacionados com a precisão da execução do exercício e não necessariamente com a qualidade ou treino do cavalo.

 

Veja também:

COMO ENTRAR EM PISTA E CAUSAR BOA IMPRESSÃO

Autor:

Frederico Pinteus

equitacao@invesporte.pt

QUER SABER MAIS SOBRE ESTE ASSUNTO?

Insira o seu e-mail e receba todas as novidades