Artigos. 09 JUL 2019

O PLANO DE TRABALHO CONTINUA (DENTRO E FORA DE CASA)

Na opinião de... Daniel Pinto #3


Tempo de Leitura: 5 min

No artigo anterior abordámos as três etapas fundamentais do plano de trabalho: diagnóstico, reconhecimento da zona de conforto e a conquista da zona de esforço. Neste, iremos aprofundar como pode a preparação da competição (as saídas de casa e a iniciação ao ambiente de provas) entrar no plano de treino do vosso cavalo.

Assim se dará início a outro nível de exigência que poderá fazer com que o binómio saia da sua zona de conforto e, ao mesmo tempo, permite avaliar que tipo de dificuldades poderão surgir mais tarde no contexto de prova, dando a possibilidade ao cavaleiro de antecipar e corrigir, através de uma zona de conforto, os eventuais problemas encontrados.

O “sair de casa” e encarar novos factores externos tornam todo o contexto de performance mais desafiante, permitindo aprender a gerir todo o tipo de situações novas que o cavalo irá encontrar. Desde o carregar no atrelado, viajar, chegar a um sítio novo com um ambiente que não é familiar ao cavalo, são factores que o vão retirar sua zona de conforto e pode despoletar no cavalo reacções inesperadas, mas totalmente normais.

Cabe ao cavaleiro dar apoio e estrutura ao seu animal, ajudando-o a encontrar a sua zona de conforto num ambiente novo, reforçando assim a auto-estima do seu companheiro equino e tornar a saída em algo de positivo. 

Eis a forma como aconselho os meus alunos a gerir esta nova etapa de treino:

1. Sair de Casa… em descontracção: ir a casa de amigos; treinar em ambientes diferentes, sem stress nem pressão de objectivos específicos ou resultados;

2. Introduzir o cavalo ao ambiente de prova: ir ao concurso, mas não competir poderá ser um outro ponto importante no nosso plano de trabalho;

3. Iniciar a competição como parte do treino: saber gerir a gestão da competição como parte do plano de trabalho do cavalo e também do cavaleiro.

O sair de casa em descontracção e sem “agenda” é, na minha opinião, fundamental para conhecer melhor e saber gerir de forma positiva as reacções do cavalo em ambientes novos.

Desde cedo, o atleta equino deve ser introduzido a diferentes locais, pistas, estímulos e contextos de trabalho. O propósito é precisamente educar o cavalo, aumentar o seu nível de auto-confiança e conquistar conforto num contexto que poderá revelar-se, de início, estranho para o binómio.

Logo que as saídas de casa se revelem mais fáceis de gerir, a introdução do cavalo ao ambiente de prova será o passo seguinte. O ambiente de prova é mais desafiante, já que as situações que o binómio irá encontrar são muito diferentes das de uma saída sem stress em casa de amigos. Em ambiente de prova o cavalo terá de ficar fora de casa vários dias, pernoitar ao lado de cavalos que não conhece e onde o movimento dentro das cocheiras não permite o mesmo descanso que em casa. Será também introduzido a novos estímulos nas zonas exteriores como música alta, bandeiras, painéis de publicidade e toda uma decoração que para alguns cavalos é indiferente, mas que para outros se pode tornar num problema. É normal que, sobretudo para os cavalos sem experiência de competição, no primeiro dia se “desgastem’”muito, ficando nos outros dias um pouco mais calmos. No entanto este “acalmar” é simplesmente porque estão cansados e não porque encontraram a zona de conforto. É por isso muito importante que a equipa do binómio esteja a 100% para tornar a saída do cavalo e cavaleiro o mais agradável possível.

 

Foto: Rita Vitorino

 

Gostava de fazer perguntas a Daniel Pinto?

Envie as suas questões para equitacao@invesporte.pt que o cavaleiro olímpico responde!

  

Autor:

Daniel Pinto

equitacao@invesporte.pt

QUER SABER MAIS SOBRE ESTE ASSUNTO?

Insira o seu e-mail e receba todas as novidades